Assimilar a ausência

Em tempos de pandemia, que nos obriga, ao menos moralmente, ao isolamento social, há um sentimento que certamente aflorou em muitos: saudade. Várias pessoas já devem ter ouvido que damos valor real a alguém ou a algo quando o perdemos. Moralismos à parte, a percepção da ausência é, de fato, uma grande alavanca para percebermos determinadas coisas e o que realmente nos importa.

Nos últimos meses, muitas foram as queixas sobre a falta que faz estar com esse ente querido ou aquele amigo com o qual partilhamos a vida, as celebrações religiosas e os encontros fraternos de naturezas diversas.

É verdade que as tecnologias ajudam a minimizar o impacto, porém, o acesso não é igual para todos e, mesmo no melhor dos cenários, o contato virtual não consegue substituir os encontros presenciais. Nossa vida é sacramental e a pandemia ajudou-nos a captar isso com mais clareza. Temos necessidade do toque, de olhar no olho, de dividir a mesa etc.

No entanto, o grande ponto positivo de tudo isso foi exatamente a ocasião para obter esta percepção: o que pode parecer corriqueiro, e feito quase que automaticamente, tem um espaço em nosso coração que talvez não imaginávamos.

O poema “Ausência” de Carlos Drummond de Andrade parece exprimir bem esse processo de tomada de consciência: “Por muito tempo achei que a ausência é falta. / E lastimava, ignorante, a falta. / Hoje não a lastimo. / Não há falta na ausência. / A ausência é um estar em mim. / E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, / que rio e danço e invento exclamações alegres, / porque a ausência, essa ausência assimilada, / ninguém a rouba de mim”. Assimilar a ausência! Deixar que ela nos envolva com sua pedagogia e nos revele quem somos, de quem e do que gostamos, e o que verdadeiramente nos faz falta.

Quando, aos poucos, formos retomando nossas atividades, é bem possível que as retomemos com um prazer imenso não simplesmente por retomá-las, mas, porque as retomaremos mais conscientes, despertos para algo que antes era sutil.

Essa vida complexa e misteriosa é assim: oferece-nos oportunidades ímpares de crescer até mesmo, ou principalmente, diante dos desafios e situações não muito agradáveis. O que perdemos e podemos recuperar pode ensinar-nos, e muito, sobre o que podemos perder e não mais recuperar. Por ora, prestemos atenção às palavras do sábio: há “tempo de abraçar e tempo de se afastar dos abraços” (Ecl 3,5).

Padre Éverton Machado dos Santos, Presbítero da Diocese de São José dos Campos, pároco da Paróquia São João Batista, em Jacareí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *